terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Sem Preconceitos!

Salim e Samira chegam ao consultório de um terapeuta sexual.
O médico pergunta:
- O que posso fazer por vocês?

O Salim responde:
-O senior, bur vavor, bode ver nois transando?

O médico olha espantado, mas concorda.

Quando a transa termina, o médico diz:
-Não há nada de errado na maneira como vocês fazem sexo.

E então, cobra R$ 70,00 pela consulta. Isto se repete por várias semanas!

O casal marca horário, faz sexo sem nenhum problema, paga o médico e deixa o consultório.

Finalmente o médico resolve perguntar:
- O que vocês estâo tentando descobrir?

E Salim responde:
- Nada. A broblema é que Samira é casada e Salim não bode ir no casa dela. Eu também sou casado e Samira não bode ir casa de Salim.
Na Play Love Motel, um quarto custa R$ 140,00. Na Fujiama Motel custa R$ 120,00. Aqui nós transa por R$ 70,00, com acompanhamento médico, tem um atestado e recibo, Salim reembolsa R$ 42,00 pela UNIMED e ainda tem uma restituição da Imposta de Renda de R$ 19,20.
Tudo calculado, eu só gasta R$ 8,80.

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

LITHA

Grãos

giram na roda.
Ó Deus que se vai

em declínio

Ó Deus que vem em prenúncio amanhecido,

fortalecer a Deusa.

Plenos sejam os feitiços

erguidos nesta noite.

Gira sol

Gira Lua

Gira o mundo.

LITHA

Grãos

giram na roda.
Ó Deus que se vai

em declínio

Ó Deus que vem em prenúncio amanhecido,

fortalecer a Deusa.

Plenos sejam os feitiços

erguidos nesta noite.

Gira sol

Gira Lua

Gira o mundo.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

DENÚNCIA - SANTA CATARINA - ROUBO DE DOAÇÕES!!!

SC: aproveitadores desviam donativos para vítimas das enchentes

Nossa equipe de reportagem flagrou uma mulher saindo do pavilhão com um carrinho de supermercado cheio de doações. Voluntários e militares também aparecem nas imagens escolhendo roupas.

O registro de um desrespeito ao país inteiro. E especialmente aos milhares de brasileiros que perderam as roupas, os móveis, a casa inteira nas enchentes de Santa Catarina. Veja na reportagem de Kíria Meurer.

O Jornal Nacional foi até um dos depósitos de Santa Catarina que recebem doações de todo o país. Lá, nossa equipe de reportagem flagrou as seguintes imagens: uma mulher sai do pavilhão com um carrinho de supermercado cheio de doações e leva para o carro. Um homem traz mais sacolas, juntos eles seguem para uma casa e descarregam tudo. Conversamos com o homem que aparece nas imagens, ele nega:

“Eu não peguei senhor, eu não peguei senhor”, afirma.

Mas logo admite:

“Alguma coisa eu ganhei, umas fraldas para a minha mãe, ela quebrou a perna, né?”, explica.

O que sai de lá deveria seguir direto para a Defesa Civil das cidades atingidas pela chuva, ninguém poderia levar donativos para casa. Mas o funcionário público responsável pelo pavilhão, admite que abre exceções.

“A gente cede para uma ou outra pessoa que trabalhou, que fez um trabalho voluntário, a gente cede neste sentido”, justifica o coordenador do pavilhão Agostinho Schaupper.

O governo do estado diz que isso não poderia acontecer:

“Na realidade, houve uma falha na coordenação, os veículos que estão transportando são oficiais e não poderiam ter sido usados veículos particulares, não cadastrados para essa distribuição”, avisa.

Em um outro depósito registramos imagens de mulheres que entraram como voluntárias - para trabalhar na separação das roupas doadas para os desabrigados. Mas a verdadeira intenção era outra:

Voluntária: Tem coisa boa. Vou levar este aqui para o meu guri.
Homem: Ah, vai levar..
Voluntária: Deixa eu ver se está descolando. Se estiver descolando eu nem levo. Ah, está descolando atrás né?

Uma voluntária que ouve a conversa repreende as mulheres.

Voluntária 1 : Isso tem que dar pra quem..
Homem: ...Precisa né?
Voluntária 1: ... Não tem dinheiro para comprar. A gente ainda tem, Graças a Deus, tem saúde...
Homem: É ...
Voluntária 1: Pra trabalhar e comprar.

Até militares do Exército que trabalham descarregando caminhões escolhem donativos:

Militar 1: O que tu vai fazer com esse sutiã aí, véio?
Militar 2: Vou levar para minha mãe (risos). Eu peguei para minha namorada.

Eles separam roupas e sapatos para levar para casa e chegam a brincar
entre si:

Militar: Oh, tu tá mexendo no meu tênis aí!

Um pega uma bota e ainda pergunta:

Militar: Isso não é de ninguém não, cara ?

Os militares saem do pavilhão com as mochilas cheias de doações.

O Jornal Nacional mostrou as imagens para o comando em Florianópolis. O Exército diz que o caso é grave, não há como negar o furto e já abriu uma sindicância para investigar os responsáveis. Os soldados flagrados pela nossa reportagem foram afastados do trabalho na Central de Triagem de Blumenau e começaram a ser ouvidos nesta segunda-feira.

“O Exército não vai aturar esse tipo de coisa, mas é preciso lembrar a população que isso é um fato isolado. Nós atuamos em Santa Catarina dando apoio à população com cerca de cinco mil integrantes. E, apesar disso, nós vamos continuar com a nossa missão humanitária em apoio aos atingidos”, afirma o general Manoel Pafiadache, comandante da Brigada de Infantaria.

A Polícia Civil abriu inquérito para investigar essas pessoas. A condenação por furto vale até quatro anos de prisão.



Fonte: Site G1

ALERTA SANTA CATARINA


Após chuva, SC registra 81 casos de leptospirose

No total, foram 593 casos suspeitos, sendo que 254 estão em análise.
Quem apresentar sintomas deve procurar unidade de saúde.

Os municípios atingidos pelas chuvas em Santa Catarina registraram 81 casos de leptospirose desde 22 de novembro, segundo boletim divulgado pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde. No total, já foram 593 casos suspeitos, sendo que 254 ainda estão em análise.

Os casos foram anotados em Blumenau (14), Joinville (12), Itajaí (9), Camboriú (5), Florianópolis (5), Gaspar (5), Itapema (4), Balneário Camboriú (3), Palhoça (3), Itapoá (2),Tijucas (2), Navegantes (2), São Francisco do Sul (2) e Santo Amaro da Imperatriz (2). Em Brusque, Timbó, São João Batista, Biguaçu, Jaraguá do Sul, Ilhota, Guabiruba, Luiz Alves, Canelinha, Guaramirim e Schroeder, foi registrada uma contaminação em cada município.

A doença

A leptospirose é das doenças geralmente transmitidas em enchentes. O governo estadual afirma que o caso suspeito é confirmado depois do resultado do exame de laboratório.

Os sintomas mais comuns são febre alta, dor de cabeça e dores musculares. Os casos mais graves podem ter icterícia (coloração amarelada da pele e mucosas), insuficiência renal, hemorragias e alterações neurológicas que podem levar à morte.

Quem apresentar os sintomas deve procurar a unidade de saúde mais próxima, de acordo com a orientação da Vigilância Sanitária.

MEU PEQUENO LUXO



Aproveitando o clima frio, a chuvinha que não parava de cair fui fazer minhas tatuagens! Ô vício! Quem tem sabe como é... se vc não fez tatuagem por moda e sim por estilo de vida, sabe que é impossível fazer só uma. É a arte que expressa você, pelas mãos de uma outra pessoa e que você pode carregar pra onde for. Não precisa de parede, pregos, iluminação, lugar de destaque em uma sala fria ou empoeirada, simplesmente porque ela irá contigo pra onde você for. Efim... olha aí o resultado!!!

domingo, 14 de dezembro de 2008

TROUXINHAS DE ESPINAFRE



Massa:
. 3 xícaras (chá) de farinha de trigo
. 6 colheres (sopa) de margarina
. 200 g de iogurte natural
. 1 colher (chá) de sal
.
Misture todos os ingredientes até formar uma massa lisa e homogênea. A massa de ve desgrudar das mãos. Se precisar, acrescente mais farinha.
Reserve enquanto prepara o recheio.
.
Recheio:
. 1 maço de espinafre, cozido e picadinho
. 500 g de ricota
. sal
. 2 dentes de alho picados
. 1 cebola picada
. 1 colher (sopa) de margarina
. noz moscada e pimenta do reino a gosto
.
Refogue a cebola e o alho em 1 colher (sopa) de margarina. Acrescente o espinafre, desligue o fogo e misture a ricota, esmagada com um garfo ou ralada. Acrescente a noz moscada, pimenta do reino e sal a gosto.
FAça pequenas bolinhas com a massa (aproximadamente do tamanho de um limão pequeno) e estique-as com um rolo. coloque uma colher cheia de recehio no centro e feche-as, juntando as bordas, como uma trouxa. Leve ao forno em assadeira sem untar até que estejam assadas (aproximadamente 30 a 40 minutos).

sábado, 13 de dezembro de 2008

RIO DE PAZ


RIO - A ONG Rio de Paz promoveu, na manhã deste sábado, mais um ato público na Praia de Copacabana.
A manifestação, última de 2008, foi para lembrar as vítimas de mortes violentas durante os dois últimos
anos na cidade. Mais de 200 ativistas espalharam 16 mil cocos verdes pelas areias de Copacabana, que
representam 16 mil vítimas de homicídios, considerando homicídios dolosos, latrocínios, autos de
resistência e policiais mortos. ( Veja fotos do ato em Copacabana )
Além dos cocos, cruzes e faixas foram espalhadas pelas areias. O trabalho dos voluntários nesta ação
começou à meia-noite de sexta-feira. Já o manifesto teve início às 6h e foi encerrado às 12h30m, com um
minuto de silêncio de todos os envolvidos, inclusive familiares das vítimas.
Na semana passada, a ONG realizou um ato para lembrar o número de desaparecidos na cidade, também na
Praia de Copacabana. A manifestação, que aconteceu na véspera da comemoração dos 60 anos da
Declaração dos Direitos Humanos, integrantes da ONG queriam chamar atenção para o avanço da criminalidade e para a necessidade de a sociedade se
unir na luta contra a violência.
O evento aconteceu na altura da Avenida Princesa Isabel. Usando manequins e pneus, os manifestantes lembraram as vítimas que são assassinadas e
queimadas por traficantes. Fazendo um alusão aos chamados 'microondas' das favelas, locais onde as vítimas são torturadas e mortas por traficante, os
participantes ficaram dentro dos pneus.
Os cemitérios clandestinos também foram lembrados. Uma grande vala onde foram colocados manequins dentro, como se fossem corpos, também foi
aberta no local. Segundo a ONG Rio de Paz, são 9 mil desaparecidos desde janeiro de 2007. Em 2009, a ONG fará uma pesquisa para tentar chegar às
causas e ao real número de desaparecimentos, já que acredita-se que muitas dessas pessoas estão mortas.

PRA RIR UM POUCO

Esse vídeo é ótimo... A cara da esposa é a melhor de todas!!! Confiram, vale a pena.

video

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

MOMENTO MUSICAL

Mulheres de Atenas
Chico Buarque

Mirem-se no exemplo
Daquelas mulheres de Atenas
Vivem pros seus maridos
Orgulho e raça de Atenas

Quando amadas se perfumam
Se banham com leite, se arrumam
Suas melenas
Quando fustigadas não choram
Se ajoelham, pedem imploram
Mais duras penas, cadenas

Mirem-se no exemplo
Daquelas mulheres de Atenas
Guardam-se pros seus maridos
Poder e força de Atenas

Quando eles embarcam soldados
Elas tecem longos bordados
Mil quarentenas
E quando eles voltam, sedentos
Querem arrancar, violentos
Carícias plenas, obscenas

Mirem-se no exemplo
Daquelas mulheres de Atenas
Despem-se pros maridos
Bravos guerreiros de Atenas

Quando eles se entopem de vinho
Costumam buscar um carinho
De outras falenas
Mas no fim da noite, aos pedaços
Quase sempre voltam pros braços
De suas pequenas, Helenas

Mirem-se no exemplo
Daquelas mulheres de Atenas
Geram pros seus maridos
Os novos filhos de Atenas

Elas não têm gosto ou vontade
Nem defeito, nem qualidade
Têm medo apenas
Não tem sonhos, só tem presságios
O seu homem, mares, naufrágios
Lindas sirenas, morenas

Mirem-se no exemplo
Daquelas mulheres de Atenas
Temem por seus maridos
Heróis e amantes de Atenas

As jovens viúvas marcadas
E as gestantes abandonadas, não fazem cenas
Vestem-se de negro, se encolhem
Se conformam e se recolhem
As suas novenas
Serenas

Mirem-se no exemplo
Daquelas mulheres de Atenas
Secam por seus maridos
Orgulho e raça de Atenas




video

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

A BAILARINA




Eu lembro que passou no fantástico essa imagem...
Dizem que se você a vê girando no sentido horário é porque usa mais o lado direito do cérebro, que seria o intuitivo e o criativo, já o esquerdo, racional e lógico. Dá pra ver a bailarina rodando nas duas direções (eu consegui), porém, uma sempre vai predominar sobre a outra.

Bom, façam o teste!!!





domingo, 23 de novembro de 2008

ORIGINALIDADE

As vezes começo a crer que o brasileiro não consegue ser original em quase nada atualmente; copiamos todos os modelos falidos importados e enfiados goela abaixo. Mas, agora parece que estamos criando moda! É claro, não sem um toquezinho clichê de estrangeirismo, porém, com aquele nosso borogodó tupiniquim. Pena, que pra variar, não seja nenhum motivo de orgulho...

Pois parece que virou moda, adolescentes, quase criança namorando marmanjos desequilibrados. Depois do caso Eloá, que todos acompanharam estupefactos não apenas o ultrajante sequestro e o nítido desespero de seus envolvidos, como também o claro despreparo da polícia em agir diante de uma situação extrema como essa; já aconteceram outros dois, se não me engano, e um inclusive com o mesmo desfecho trágico, porém, bem menos divulgado e espetaculazado do que o da infeliz Eloá. Nesse, o autor, ex-marido/namorado da vítima, pai de seu filho, matou a menina de 16 anos sem grande dramalhão. E foi abafado por conta da incansável vulgarização da mídia em torno do caso de Santo André.

Agora mais um... pelas notícias, ainda está acontecendo. Sabe-se lá como vai terminar. Mas, me faz questionar onde estão os pais dessas meninas quando elas se envolvem com homens bem mais velhos. Onde está a família pra ensinar valores, que não apenas contribuirão com a sua inserção na sociedade, mas que também as protegerão de situações como essas? Uma menina bem orientada, um rapaz bem orientado, não se vulgariza, não se apropria, não banaliza a vida do outro. Mas, ao que podemos ver, as coisas há muito tempo perderam o sentido e os valores vem mudando... só que eu não acho que seja pra melhor...

Enfim... em breve descobriremos se esse vai ser mais um daqueles trágicos incidentes ou se dessa vez contaremos, ao menos, com uma polícia eficiente.

Jovem mantém ex-namorada refém no Maranhão

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

DICAS PARA HOMENS E MULHERES

Recebi o texto abaixo por e-mail e não posso confirmar a autoria do Jabor, porém, em todo o caso, as dicas são mais do que válidas!!!

Para Homens e Mulheres!!
O que não usar - por Arnaldo Jabor

Algumas coisas que as mulheres devem saber que são tristes de usar.
Com isso, e pela importância que dou ao sexo feminino, decidi fazer
uma pequena listinha de coisas que simplesmente algumas mulheres
deveriam repensar antes de usar (caso uma mera opinião masculina
importe).

É triste mulher:

1) Usar esmalte com uma florzinha (ou estrelinha) em uma das unhas
combinado com a outra mão (no pé já é caso de internação).

2) Salto de acrílico (a não ser que vá fazer um filme pornô ou agradar
o namorado fetichista). Sapato branco também é de lascar.(a menos que
você seja enfermeira...) Bota Frankstein, aquela do plataformão preto.
Nem Mortícia Adams teve coragem de usar... E, sandália com plataforma
de madeira entalhada. Essa dispensa qualquer comentário

3) Lente de contato colorida. Essa é uma das tenebrosas campeãs.
Além de dar uma enorme vontade de lacrimejar de aflição (para quem
está de frente com o ser), parece que estamos diante de uma personagem
do próximo filme do X-Men.

4) Meia-calça cor da pele, tipo Kendall para o inverno (a não ser que
tenha mais de setenta anos ou use debaixo da calça em caso de frio
extremo). Em hipótese nenhuma deve ser usada com saia e sandália aberta.

5) Calça justa demais, que aperte as partes íntimas (fica parecendo
uma pata de camelo). Calça de cintura baixa com aquelas gordurinhas
sobrando para os lados e..... cofrinho aparecendo... . Não obrigue os
outros a ter que ver isso!


6) Descolorir os (muitos) pelos da barriga, o famoso 'caminho da
felicidade'. Melhor depilar, caso contrário é melhor procurar um
namorado que tenha colocado blondor no bigodinho. Farão um lindo par.

7) Unha do pé grande, maior do que onde termina o dedo, além de ficar
muito feio pode ser um perigo fazendo 'carinho' com o pé, no marido ou
namorado. Se estiver solteira, vá à praia de meia.

8) Calça jeans com muitas aplicações (rosas coloridas, tachas, strass,
etc.). Tudo em exagero polui o visual e esse tipo de calça tem muita
informação. Usada junto com o item 2 é uma das piores composições. Se
pretende sacanear algum namorado (ou ex), chame o para jantar ou
dançar, e vá assim.

9) Perfume Paris, do Yves Saint Laurent. Se não estiver na terceira
idade não tem desculpa. As pessoas ao redor não merecem isso e nem
todo mundo carrega Neosaldina na bolsa. Usar no verão então, é sadismo.

10) Calça legging com tamanco de madeira. Se você não estiver numa
refilmagem de 'Grease nos tempos da brilhantina', use outra maneira de
chamar a atenção. Há outras (e muito melhores) maneiras de um cara te
achar gostosa.


O que os homens nunca deveriam usar - ou ter usado:


Na coluna passada, brinquei com o meu ponto de vista, sobre o que as
mulheres não deveriam usar - pois era sofrível. Foram dezenas de
e-mails concordando, mas pedindo para o colunista fazer a mesmíssima
coluna, porém sobre os equívocos masculinos. Já tinha isso em mente e
aí vai a minha lista para meus queridos leitores. Acho abominável que
um homem envergonhe (no sentido estético) a classe masculina
usando:

1) O trio mais famoso do que o do McDonalds: pochete, bermuda jeans e
sandália papete. Se vier acompanhado do celular (na capinha) na
cintura então. É caso para fingir que não conhece.

2) Blazer com gola rolê por dentro. É o figurino preferido de 10 em
cada 10 novos cabeleireiros recém bem-sucedidos na cidade. Esse tipo
acha esse conjunto o uniforme da 'elegância'. Geralmente abrem salão
na cidade com os nomes de Roberto's Coiffeur, Cabral's, Antonio's e
por aí vai..

3) Sapato social de 'franjinha' (aquele detalhe de penduricalho em
cima). Se for curto a ponto de aparecer a meia branca por baixo, a
coisa beira a piedade. Esse tipo fica ótimo num dublador de Michael
Jackson cantando 'Billie Jean' no Largo da Carioca.

4) Calça de cintura alta, a chamada 'Saintropeito'. Cuidado com os
testículos! Eles não têm culpa se você se veste mal. Gerentes de
churrascaria rodízio costumam adotar esse visual acompanhado de uma
vistosa camisa vermelha de seda javanesa. Correntão de ouro e pulseira
de ouro é melhor esquecer. Deixe para o bicheiros.

5) Perfume KOUROS (Yves Saint Laurent) ou NATURA. Num acampamento pode
ser usado como repelente (pena dos seus companheiros de viagem). Um
cara que usa esse perfume se torna inesquecível. O trauma nas pessoas
ao redor é irreversível.

6) Essa vai doer em muito 'Maurício' mas é a minha opinião: Casaquinho
de lã jogado nas costas e amarrado na frente. Esse visual geralmente
vem acompanhado de um cabelo arrumado pela mamãe a ' La Roberto Justus
'. Tem solução, mas tem que ser mudado ainda na infância ou no máximo
adolescência. Depois fica difícil.

7) Unha suja (e sem cortar). Se você não for o mecânico Pascoal da
novela 'Belíssima', pode ter certeza que brochará sua namorada ou
pretendente. Caso seja bonito como o Gianechinni, ela será somente um
pouco mais tolerante, entretanto, irá pedir para limpá-las assim que
acabar a noite de fetiche com um desleixado. Não esqueça também de
aparar aqueles pelinhos horríveis que por ventura saiam do nariz ou da
orelha - em nome da higiene, please!!!!

8) Base incolor na unha. Triste amigo. Só limpar e cortar já é
suficiente. Cuidado se tem esse hábito, pois daqui a pouco estará
pedindo 'francesinha' no salão.

9) Fazer sobrancelha. Se for tirar um fio maior, ok. Agora, se for
limpar e afinar nas extremidades, é melhor tomar cuidado. Daí para
usar rímel e delineador é um pulo. Não estranhe se vier uma vontade
incontrolável de chamar um amigo de infância para assistir 'Brokeback
Mountain' comendo pipoca light.

10) Cueca furadinha tipo antiga Adams de cor (vermelha, amarela,
marrom etc.). Amigo, por favor, treine tirar a calça puxando a cueca
junto. Nenhuma mulher no mundo agüenta esse choque visual. Se ela vir
a sua cueca é provável que você fique na mão (literalmente) Esqueça
também a sunga branca na praia. Nem precisa explicar...

Arnaldo Jabor

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

GUERRA DE MULHERES


Guerra de Mulheres

(Por Núzia Carla Brum)


Vadia! Em brados ela grita

Trovões de mulheres malditas

Uma guerra de senhoritas

Prosas e versos subscritas


E o urro se desfaz

E novamente se perfaz

Para que tome novo sopro

E sirva a um novo corpo


Vaga no mar celestial

Crava no peito da autora um punhal

Dilacera a carne em verso

Esbulha o controverso


E na trincheira da guerra fria

Munidas de tecnologia

Elas atacam em poesia

Usam ironia como artilharia


Metralhadora de palavras escarlate

O sangue escorre em mil bytes

E as feridas expostas em sites...

Inteireza do Ser
(por Núzia Carla Brum)

Eu sou um ser inteiro
E por isso também falho
No conjunto se encontra a beleza
Que sigo por entre atalhos

A ira, a raiva e o amor,
Pintados num grito de dor
A mentira, o engano e a flor
Crescem no jardim do esplendor

As críticas não me afugentam
Ao ser inteiro, sustentam
Injúrias e lamento
Alegria e contento
São meu alimento

As palavras expressam as verdades?
Ou seriam apenas a fogueira das vaidades?
Por entre as linhas se descobre a maldade
A mola mestra da rivalidade.

Feliz do bem aventurado
Que segue seu caminho inabalado
Ser inteiro e acabado
Ignora se mal interpretado.

terça-feira, 18 de novembro de 2008

SONHOS


Sonhos

(por Núzia Carla Brum)


Sonho contigo à noite

Quando vens visitar minha pele fria

O cálido sopro da brisa

Aquece minh´alma vazia



Teu corpo em júbilo sobre o meu

Devora minha carne em rubor

Penetras rijo em minhas entranhas

Inebriado de amor


Me deito em estepe seca

Para que me tenhas para ti

Em seca relva que repouso

No farfalhar do ir e vir


Em sonhos cruzo mares e montanhas

Para de novo te sentir

Teu peito batendo forte

Teu gozo em me despir


A alvorada se faz presente

O dia já vai surgir

Em nevoa me despeço do homem

Que mulher me faz sentir.


Essa eu escrevi pro meu namorado... ah... o q a saudade não faz com a gente???




JOGA PEDRA NA GENI

(Inspirada por uma determinada pessoa, escrevi a poesia do post abaixo. O que me fez lembrar imediatamente da música que ora transcrevo aqui)

Geni E O Zepelin

(Composição: Chico Buarque)

De tudo que é nego torto
Do mangue e do cais do porto
Ela já foi namorada
O seu corpo é dos errantes
Dos cegos, dos retirantes
É de quem não tem mais nada
Dá-se assim desde menina
Na garagem, na cantina
Atrás do tanque, no mato
É a rainha dos detentos
Das loucas, dos lazarentos
Dos moleques do internato
E também vai amiúde
Com os velhinhos sem saúde
E as viúvas sem porvir
Ela é um poço de bondade
E é por isso que a cidade
Vive sempre a repetir

Joga pedra na Geni
Joga pedra na Geni
Ela é feita pra apanhar
Ela é boa de cuspir
Ela dá pra qualquer um
Maldita Geni

Um dia surgiu, brilhante
Entre as nuvens, flutuante
Um enorme zepelim
Pairou sobre os edifícios
Abriu dois mil orifícios
Com dois mil canhões assim
A cidade apavorada
Se quedou paralisada
Pronta pra virar geléia
Mas do zepelim gigante
Desceu o seu comandante
Dizendo - Mudei de idéia
- Quando vi nesta cidade
- Tanto horror e iniqüidade
- Resolvi tudo explodir
- Mas posso evitar o drama
- Se aquela formosa dama
- Esta noite me servir

Essa dama era Geni
Mas não pode ser Geni
Ela é feita pra apanhar
Ela é boa de cuspir
Ela dá pra qualquer um
Maldita Geni

Mas de fato, logo ela
Tão coitada e tão singela
Cativara o forasteiro
O guerreiro tão vistoso
Tão temido e poderoso
Era dela, prisioneiro
Acontece que a donzela
- e isso era segredo dela
Também tinha seus caprichos
E a deitar com homem tão nobre
Tão cheirando a brilho e a cobre
Preferia amar com os bichos
Ao ouvir tal heresia
A cidade em romaria
Foi beijar a sua mão
O prefeito de joelhos
O bispo de olhos vermelhos
E o banqueiro com um milhão

Vai com ele, vai Geni
Vai com ele, vai Geni
Você pode nos salvar
Você vai nos redimir
Você dá pra qualquer um
Bendita Geni

Foram tantos os pedidos
Tão sinceros, tão sentidos
Que ela dominou seu asco
Nessa noite lancinante
Entregou-se a tal amante
Como quem dá-se ao carrasco
Ele fez tanta sujeira
Lambuzou-se a noite inteira
Até ficar saciado
E nem bem amanhecia
Partiu numa nuvem fria
Com seu zepelim prateado
Num suspiro aliviado
Ela se virou de lado
E tentou até sorrir
Mas logo raiou o dia
E a cidade em cantoria
Não deixou ela dormir

Joga pedra na Geni
Joga bosta na Geni
Ela é feita pra apanhar
Ela é boa de cuspir
Ela dá pra qualquer um
Maldita Geni

GROSSAS LENTES

Atrás das grossas lentes repousam olhos de inveja
A iris esverdeada reflete o opaco do ranso
Ranso da frustração, dos sonhos destruídos
Ranso de quem não é feliz

Os óculos escondem a alma negra
O deboche, a maldade
Enganam, disfarçam
Escamoteiam a sinceridade

Plural em seus sentimentos
Afogada em ressentimentos
Destrói com sua língua ferina
Joga veneno ao vento

O corpo é de mulher
A essência de serpente
Preste a dar um bote
No amigo inocente

Não suporta a felicidade
Não suporta o amor
Quer secar a tudo e todos
Quer destruir o amor

Teus dias são sempre cinza
Cor da solidão
Vaga sozinha na terra
Não sente por ninguém compaixão

O espelho te mostra a verdade
Àquela que você não quer ver
Que o abandono te corrói
E isso te dá prazer

domingo, 9 de novembro de 2008

Um novo blog para uma velha vida - Pimentas Veganas!!!



Bom, não sei quem lê esse blog aqui, mas se forem meus amigos, sabem que há 3 anos sou vegetariana com orientações veganas. O que vem a ser isso? Bom, sou ovo-lacto-vegetariana, ou seja, ainda (eu disse ainda) consumo derivados como ovo (dã), leite (dã), manteiga, queijos e etc. Mas, por ter uma orientação vegana e aspirar isso como meta meu consumo desses produtos é mais restrito e direcionado. Tenho acesso a ovos de galinhas capira, ou seja, não sofrem nenhum tipo de violência, leite eu não tomo mais, porém o consumo ainda (novamente, ainda) em bolos, pães e outros tipos de receitas. A manteiga segue o mesmo padrão acima, sendo substituida por azeite (delícia!) quando é para consumo direto como pão com manteiga. Mas, meu maior 'crime' é o consumo de queijos. Confesso envergonhada que o prazer ainda acima nessa questão; sou totalmente viciada em queijo. Porém, tenho certeza que é uma fraqueza passageira e em breve estarei totalmente livre do sofrimento animal em 90% da minha existência consumista. Meta!

Por conta disso e por acreditar que a voz dos animais e do planeta tem que reverberar cada vez mais alta e mais distante é que criei um novo blog em parceria com uma amiga para tratar desse tema com mais abrangência e direcionamento. Aqui, vou continuar postando minhas abobrinhas, e certamente também falarei sobre isso. Mas, esse blog em específico é para dar voz ao ativismo e mostrar ao mundo que existimos e como tal, é possível sim, viver em maior harmonia e paz com o nosso planeta através de ações simples no seu dia-a-dia.

Então, amigos e queridos leitores, deixo aqui o meu convite para quem quiser visitar esse recém nascido blogg, PIMENTAS VEGANAS! Entrem lá e participem! Tenho certeza que vocês, assim como eu, sairão ganhando. Ah... e já tem duas receitas!!!

SHOW DO R.E.M.


Logo de saída, Michael Stipes, o vocalista do R.E.M. anunciou que a banda estava ali para fazer música. E foi o que aconteceu na HSBC Arena por duas horas na noite de sábado sem explosões, fogos, bonecos infláveis ou outra parafernália qualquer, apenas grandes canções executadas por músicos competentes nada preocupados em mostrar que sabem tocar. E três telões, um grande de leds para efeitos ao estilo psicodélico e pop art e dois laterais para a banda e vídeos ilustrativos.

Michael Stipes, 48 anos, Mike Mills, 49, e Peter Buck, 51, estão na estrada há 28 anos, passaram pelos altos e baixos comuns a carreiras longas e vivem um grande momento a bordo do CD “Accelerate”, lançado em abril, com 11 boas canções em apenas 34 minutos, sem firulas.

Assim foi o show: 24 músicas sem firulas em que a banda trouxe o público de 1985, com “Driver 8”, até o presente. Uma delas foi tocada pela primeira vez na turnê sul americana iniciada em 29 de outubro na Colômbia, “Exhuming McCarthy”, uma denúncia contra tentativas de se trazer aos nossos dias o clima de caça às bruxas dos anos 50 (a letra tem a frase “o senhor não tem um pingo de decência, senador”, com que McCarthy foi desmascarado por um colega do Senado e Stipes colocou um gravador com sua reprodução no microfone.

Após a abertura de Fernando Magalhães, do Barão Vermelho, em show de seu álbum instrumental com profusões de solos que lembravam de Joe Satriani a Jeff Beck, passando por meio mundo de guitarras, esperou-se meia hora para o R.E.M.. O palco é muito simples. Teclados nas duas pontas em estantes de madeira de instrumentos vintage. Dois amplificadores ampeg para o baixo Fender de Mike Mills, uma bateria simples (mas com dois surdos) de Bill Rieflin, músico contratado egresso do heavyssimo grupo Minister. Amplificadores miúdos cheios de bonecos de dinossauros em cima para a guitarra de Peter Buck, na maior parte do tempo uma Rickenbacker parecida com a que John Lennon usava no começo dos Beatles. Scott McCaughey é um R.E.M. honorário, ele se reveza entre guitarra (Gibson SG e Les Paul, Rickenbacker e outras), baixo, gaita e teclado, um verdadeiro coringa.

Além das costumeiras médias com o público tipo “Amamos o Brasil”, “estamos felizes de estar aqui” (lembrei de Keith Richards “é muito bom estar aqui, é muito bom estar em qualquer parte”), Stipes disse que a banda estava “fucking happy” com a eleição de Barack Obama, que apareceu no telão central, anunciou que havia um estande da Anistia Internacional no recinto, pediu que todos se informassem e se tornassem membros. Ele agradeceu a Fernando “Magalhões” pelo show de abertura e foi para a frente do microfone com uma lata de cerveja “Não sei como pronunciar isso...Itapava? É muito boa”, afirmou, engolindo o “i” e endossando uma “loura” não muito popular entre os cervejólogos. E pensar que tem banda brasileira que pede cerveja importada no camarim.

Depois de um “boa noite galera do Rio” no telão a banda entrou a mil com a faixa de abertura de “Accelerate”, “Living well is the best revenge”, deu uma segurada em “These days” e engatou a quinta em “What’s the frequency Kenneth?” com o vocalista mostrando seus dotes no balanço das cadeiras. Além dele, o único que se movimenta no show é o baixista Mills, que desceu duas vezes para agitar perto da galera da pista vip (420 reais).

Fonte: matéria jornal O Globo online

R.E.M. - Sem dinheiro na bolsa...


Se não fossem os altos e incompreensíveis preços, certamente, R.E.M. era a melhor pedida do final de semana. Mas, como vivemos em um capitalismo brutal, esse tipo de programa é para poucos e bons (sic). De outra maneira não teríamos uma seção de um famoso jornal online com o título: 'Veja os famosos que foram so show do R.E.M. no Rio'. Deprimente... e eu procurando matérias sobre o show pra postar. Afinal, quem não tem grana como eu, faz assim, lê, ouve e baixa no Youtube os melhores momentos. Ao menos parte desses recursos não é exclusivo dos 'poucos e bons' (em parte, já que matérias falando sobre o show ainda não vi nenhuma, mas sobre as celebridades miojo... ah... isso tem aos montes pela net, é só chegar e clicar). Mas, me digam, o que interessa saber que Dado Dolabella, que pra mim está longe de ser 'celebridade' foi ao show e tirou foto fazendo o símbolo de 'paz e amor'??? Não quero saber se foi fulana ex-bbb ou beltrana, rosto bonitinho da uma certa emissora. Eu quero é saber do show, do Michael Stipe (VEGETARIANO), das músicas, enfim, do espetáculo e não dos coadjuvantes.

Pois é, eu não fui ao show... preços meia entrada variando entre R$80 e 120 reais são inacessíveis, não só pra mim, como pra grande maioria. Eu não me disponho a pagar essa 'bagatela', afinal, com esse mesmo valor eu faço muito mais coisa... ainda que seja o R.E.M. que eu A-DO-RO. Fazer o que? Enquanto a massa de manobra eleger governantes ladrões e não se posicionar contra a farsa autofágica do capitalismo, estaremos a fadados às margens da sociedade, porque, pelo visto, isso também é para apenas 'poucos e bons'.

Bom, eu já ia chegar ao final desse post 'lamentação' quando a tal emissora, dona do tal jornal de grande circulação liberou uma matéria sobre o show! Vou transcreve-la no próximo post. Nesse, eu deixo vocês com a foto.





segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Beltane - É hora de celebrar!!!

Beltane

Divindades relacionadas: Rainha da Primavera, Jack in the green, Homem Verde.

Beltane é um festival de fertilidade e fogo.

Na tradição celta, os dois maiores festivais de todos são Beltane e Samhaim: o início do verão e o início do inverno. Assim como para todos os povos pastores, para os celtas o ano tinha duas estações, não quatro. Isso se deve porque no norte da Europa as estações são bem mais divididas que no hemisfério sul, por exemplo.

A palavra Beltane se origina dos termos galeses tan (fogo) e Bel (nome do deus sol dos galeses). Juntas, as duas palavras significam "fogo de Bel", ou então, mais poeticamente, "fogo no céu", o que é uma expressão que expressa maravilhosamente bem o espírito deste sabá.

Beltane para as pessoas comuns era um festival de sexualidade e fertilidade humanas isento de vergonha. O mastro adornado com flores e fitas era um símbolo fálico. Dançar ao seu redor, procurar nozes nos bosques e ficar acordado a noite inteira para ver o Sol nascer no primeiro de maio eram atividade inequívocas, razão pela qual os puritanos as suprimiram com tremendo horror piedoso. Para se ter uma idéia, em 1644 os mastros de Beltane foram proibidos, mas eles voltaram em 1661 com a Restauração. Nessa ocasião, um mastro de 41 metros foi erigido na Inglaterra.

As fogueiras de Beltane ardiam durante todos os dias de festa, simbolizando o sol.

Alguns costumes de Beltane

Estes são alguns costumes tradicionais deste sabbat. Todos os exemplos foram retirados de diversas fontes, algumas inclusive desconhecidas. Se você conhecer a autoria de alguns deles, entre em contato conosco.

* Entre os povos pagãos era costume pular a fogueira de Beltane para se livrar de doenças e energias negativas, assegurar bons partos e pedir as bênçãos dos deuses da fertilidade. Então cada família levava brasas desse fogo para a sua casa, pois dessa forma reacendiam essas chamas em casa representando uma bênção divina para o verão que viria em seguida.

* Uma antiga tradição requeria que o fogo doméstico deveria ser apagado da casa toda nesse dia, pois seria feita uma fogueira com as nove árvores sagradas (freixo, bétula, aveleira, carvalho, teixo, sorveiro, salgueiro, pinheiro e espinheiro), que seria acesa pelos druidas ao nascer da Lua, dando-se início à celebração do sabbat.

* Na Europa, era um costume de Beltane soltar o gado para passar entre as fogueiras e, dessa forma, abençoá-los.

* No Brasil, perto do dia de Santo Antônio há o costume de recolher um enorme tronco de árvore e conduzí-lo ao pé da serra do Araripe até a Igreja da cidade, por mãos de fortes caboclos. À passagem do séquito, as mulheres solteiras procuram tocar no tronco que passa, debaixo da crença segundo a qual caso consiga, cedo casará... É uma festa a que todo o Cariri comparece, pelo sabor de tradição que o espetáculo mostra. Trata-se de um rito essencialmente de Beltane.

* Outro costume relacionado a este sabbat era quando os jovens das vilas iam até as florestas à meia-noite de Beltane para colher flores. na volta, presenteavam seus parentes com as flores, então recebiam as melhores comidas e bebidas que seus parentes podiam lhes oferecer. Era um ato que trazia boa sorte para todos que moravam naquela casa, pois representava generosidade.

* Na Europa Antiga, as pessoas celebravam Beltane fazendo amor em meio aos bosques. Todas as crianças concebidas por meio dessas uniões eram consideradas "abençoadas". Essas uniões representavam a fertilidade não só dos humanos nessa época, mas de todos os seres vivos da Terra.



quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Mentiras II

Hoje eu me dei conta que a mentira é puro faz-de-conta,
Faz-de-conta que eu conto a verdade,
Faz-de-conta que você acredita.

Faz-de-conta que tudo é verdade,
Assim como amor que te digo,
Faz-de-conta que não é por maldade,
Que eu não sou sincero contigo.

Faz-de-conta que eu me importo,
E é por isso que eu minto,
Faz-de-conta que já esqueci,
Aquela com quem mantenho vínculo.

Faz-de-conta que eu te amo de verdade,
Mesmo que não te dê prioridade.
Faz-de-conta que esse é meu jeito,
Que é pura liberdade.

Quando na verdade o que conta,
é o prazer da sacanagem.

terça-feira, 28 de outubro de 2008

Uma Bolsa Paraguaia

Tem gente que não entende que o fino tecido que sustenta qualquer relação é o da sinceridade. E as mentiras são como pequenas traças que corroem esse tecido, tão raro e tão delicado que é impossível de ser remendado. Fica aquela coisa grosseira, esgarçado, remendado, estragado. As vezes, quando se remenda esse tecido que rompe, podemos até sustentar a relação, mas parece que como o tecido de uma bolsa, aquilo ali não vai durar muito.

As mentiras são a ferrugem que oxida o ferro, a marca do prego retirado da madeira, o jarro de vidro que quebrou e foi colado, as estrias da nossa pele... é um estrago irreparável, ainda que contornável.

São as marcas da vida no rosto amargo, o fosco do olhar, o amarelo do sorriso...

Adoráveis mentirosos e seus queridos comparsas... Serão eternos amantes, ligados por sangue. Parceiros e suspeitos do 'crime perfeito', mas como diz a canção, 'mas, crimes perfeitos não deixam suspeitos'. Cúmplices solidários na constante obrigação de se ocultarem.

E aos que se deixam enganar, o escárnio da certeza vulgar de sua fraqueza. O terceiro elo que sustenta a mentira. Tão culpado desse crime por se permitir enganar...

sábado, 24 de maio de 2008

MUITO PUTA DA VIDA - Dane-se a bolsa!!!

Eu pretendia, juro que pretendia, atualizar esse blog com os meus pensamentos... com os pensamentos de outras pessoas, mas, infelizmente, estamos no Brasil, onde nada funciona e tudo termina em pizza. Minha internet, 'acessório' do plano 'Oi Contal Total 3', não funciona há 3 meses e a 'digníssima' operadora, bem como o seu órgão regulador, a ANATEL, não estão preocupados em fazer valer os artigos encontrados no CC e no CDC, no que tange os contratos de prestação de serviço. E por isso, e apenas por isso, esse blog foi um projeto temporariamente (espero) abortado.

Não faz diferença se ninguém liga, caguei pra isso... me preocupo muito mais em preservar os meus direitos que estão sendo indiscutivelmente e levianamente lesados.

sexta-feira, 18 de janeiro de 2008

A Bolsa Rasgou

O que fazer quando a 'bolsa' rasga e todos os seus sonhos vazam pelo buraco? A mesma analogia de descer pelo ralo. O que fazer quando os sonhos vão por água abaixo?
Catamos os caquinhos e recolocamos na bolsa? Não tem como. Não tem um remédio, uma solução. Coisas quebradas, mesmo que coladas não ficam iguais. Coisas perdidas, caídas, despedaçadas tem que ser deixadas pra trás.
Uma bolsa rasgada que deixa cair os sonhos não serve mais. Sonhos despedaçados também não.

Então o jeito, o único jeito é jogar a bolsa fora com os sonhos que restaram também; comprar uma bolsa nova e sonhar novamente. Bola pra frente, ou melhor bolsa nova pra frente. Com um novo sonho, novo destino, com uma nova vida. Batom novo, carteira nova, nova necessaire... tudo novo, uma nova mulher.

Pra quem estiver passando por isso, se despedindo do passado, dos sonhos perdidos, da bolsa rasgada, um conselho: chorar faz bem, mas uma boa maquiagem e um novo (olha aí o termo novamente!) corte de cabelo fazem muito melhor!!!

Be happy, no matter what.

segunda-feira, 7 de janeiro de 2008

As vezes o mundo parece que vai me engolir.
Estou presa nas minhas dúvidas, nos meus por quês.
E me corrôo sem saber onde estão as respostas.

Por que não somos auto-suficientes?
Por que não conseguimos fazer os outros felizes?
Por que não estamos satisfeitos com nada?

Por que? Por que? Por que?

Tantas perguntas e apenas o zumbido do vento como resposta.
O eco do coração que bate solitário dentro dessa casca vazia.
Os olhos semi serrados não enxergam no clarão do raio.
A tempestade se faz de lágrimas.
E o ronco do trovão é o grito preso na garganta.
O medo não gera a explosão.

sábado, 5 de janeiro de 2008

Zíper Aberto - A Impaciência nos Detalhes

Estou utilizando a metáfora da bolsa pra retratar um pouco da personalidade feminina. E por ser desse sexo tão complexo e confuso, procuro extrair um fiel retrato. Mas, nem sempre meu foco será em nós mulheres, afinal, somos, antes de tudo, seres humanos coabitando o mesmo planeta. E como já diria a música do Pepeu Gomes: ' Ser um homem feminino/ Não fere o meu lado masculino', 'eles' também serão aqui retratados.

Mas, vamos por partes.
Hoje em dia o mundo anda acelerado, são tantas coisas, tantos compromissos, tanta monitoração e 'facilidades tecnológicas', rapidez e banda larga; que nos tornamos pessoas apressadas, impacientes e displicentes, muitas vezes com nós mesmos. E é isso que significa o zíper aberto. Nossa noção de tempo se alterou de tal maneira, que um movimento simples é as vezes ignorado pela correria ou impaciência.

Por que as bolsas tem fechos? Para evitar furtos, nós diríamos. Mas, se os mesmos existem para proteger, por que muitas vezes insistimos em não fechá-los?

Ando pela rua e várias vezes vejo a mesma cena. Mulheres andando com passos rápidos e com suas bolsas abertas. Mas, o simples deixou de ser prático, afinal, se abre a bolsa pra pegar celular, dinheiro, Ipod, agenda, caneta, cigarro, chiclete, papel... Enfim, é um tal de abre e fecha bolsa tão regular que enche o saco.

Por isso me dei conta, estamos tão apressados que somos impacientes com os detalhes. E levando para outro campo do dia a dia, somos negligentes com nós mesmos, com quem amamos. Não temos tempo, ou paciência em ligar para um amigo que gostamos pra saber como ele está, não temos tempo de escrever um e-mail (o que dirá uma carta) para aqueles que estão distantes, não temos tempo ou paciência pra nos olharmos de frente com os olhos da alma. E no que nos tornamos? Humanos robôs presos a uma sociedade capitalista e autofágica. Nos reduzimos a fios, telas, teclas e programações ,e esquecemos de viver.

Fechar o zíper da bolsa é um conselho tão bom quanto usar filtro solar. A essência da vida está nos pequenos detalhes, e se não os enxergamos, nem mais é preciso estar vivo.

Admirável Chip Novo

Pitty

Composição: Pitty

Pane no sistema, alguém me desconfigurou
Aonde estão meus olhos de robô?
Eu não sabia, eu não tinha percebido
Eu sempre achei que era vivo
Parafuso e fluido em lugar de articulação
Até achava que aqui batia um coração
Nada é orgânico, é tudo programado
E eu achando que tinha me libertado.
Mas lá vem eles novamente e eu sei o que vão fazer:
Reinstalar o sistema

Pense, fale, compre, beba
Leia, vote, não se esqueça
Use, seja, ouça, diga
Tenha, more, gaste e viva

Pense, fale, compre, beba
Leia, vote, não se esqueça
Use, seja, ouça, diga...

Não senhor, Sim senhor, Não senhor, Sim senhor

Pane no sistema, alguém me desconfigurou
Aonde estão meus olhos de robô?
Eu não sabia, eu não tinha percebido
Eu sempre achei que era vivo
Parafuso e fluido em lugar de articulação
Até achava que aqui batia um coração
Nada é orgânico, é tudo programado
E eu achando que tinha me libertado.
Mas lá vem eles novamente e eu sei o que vão fazer:
Reinstalar o sistema.

Pense, fale, compre, beba
Leia, vote, não se esqueça
Use, seja, ouça, diga
Tenha, more, gaste e viva

Pense, fale, compre, beba
Leia, vote, não se esqueça
Use, seja, ouça, diga...

Não senhor, Sim senhor, Não senhor, Sim senhor

Mas lá vem eles novamente e eu sei o que vão fazer:
Reinstalar o sistema.

Abrindo a bolsa

O que se encontra dentro de uma bolsa de mulher?
Muita coisa! As possibilidades são infinitas e os objetos descrevem bem o perfil de cada uma.

Existem as mulheres organizadas, que possuem estojo e necessaire pra tudo que carregam, separam os itens por gênero e utilidade. Existem aquelas que são o extremo oposto, mas que se encontram em sua caótica desorganização. Há também as que nunca acham nada, ainda que estejam a um palmo do nariz, e dentro da bolsa então... É um tal de mexe daqui, remexe dali, tira isso, e quando vê, tem sua bolsa revirada e exposta, muitas vezes revelando mais do que gostariam. Tem também mulheres recatadas, que se valem de objetos genéricos e quase sem identidade; outras, são ousadas, modernas e vanguardistas, carregam tudo de diferente e original em suas bolsas e em suas almas. Por fim, porém, temos a bolsa das bruxas... onde se encontra toda a sorte de traquitanas seculares e sempre, mágicas! Enfim, pra cada bolsa, uma personalidade, um momento, uma história.


Como é a minha bolsa?! Um pouco de cada uma citada acima... um mix total; a verdadeira bolsa de uma mulher de 30!


Sejam bem vindos! Aqui vou expor (ou não) o reflexo da insanidade que é ser mulher. E sintam-se livres pra compartilhar de suas experiências com bolsas de mulher, um verdadeiro calvário feminino! Onde se carrega muito mais que objetos pessoais, mas, também sonhos e desencontros.


Que assim seja e assim se faça!